Google Mobile-First Indexing SEO

Google Mobile-First Indexing é Realidade

Olá pessoal de SEO! Google anunciou no final de março que indexação de sites a partir da versão mobile já começou… seu site está preparado?

A notícia publicada no Blog do Webmaster Google sobre mobile first-indexing já era por mais dias ou menos dias esperada pela comunidade de SEO. Desde final de 2016, o Google alertou que chegaria o dia em que as versões de sites para dispositivos móveis seriam usadas para determinação de ranking, mas eu confesso que achei que essa notícia não seria agora, embora o primeiro alerta tenha ocorrido há um ano e meio. Confira mais abaixo.

Crescimento Mobile e as Mudanças nos Resultados Google

Sabemos que o Google quer oferecer o melhor para seu cliente (ou seja, o usuário) e que o crescimento do uso de dispositivos móveis (smartphones e tablets) também não é novidade para ninguém. Logo, o Google tem como foco proporcionar a melhor experiência em mobile ao usuário quando este realizar uma busca na Internet.

Para garantir essa melhor experiência, não basta o Google ser o melhor buscador ao trazer resultados assertivos, mas os sites oferecidos precisam prorrogar a boa experiência em navegação móvel do buscador. Aí que entra o nosso lado de proporcionar a continuação da navegação mobile apropriada dentro de nossos sites (leitura recomendada: Mobile: Quem Dita as Regras é o Google).

Desde 2015, o Google tem incentivado (leia obrigado) os sites nessa adaptação (quem lembra do Mobilegeddon?). Em novembro de 2016, veio o primeiro comunicado sobre Mobile-First Indexing (saiba mais em: Mobile-First Indexing: Indexação Mobile é Prioridade). Em março de 2018, o Google divulga que a indexação focada em mobile começa a entrar em ação.

O Que Mobile-First Indexing Significa?

O Google tem declarado que há apenas 1 índice – ou seja – não existe um índice de resultados para buscas em desktop e outro para buscas em smartphones ou tablets. Há um índice único que independe do dispositivo usado para a busca.

A diferença até então era qual versão do site era usada pelo algoritmo do Google para determinar a posição de cada site no índice. Como a Internet (e o Google, obviamente) nasceu em desktop, o Googlebot percorria o site desktop para avaliação pelo algoritmo de qual posição seria ocupada pelo site no índice.

Com o super aumento do uso de dispositivos móveis, o problema estava no usuário mobile visualizar uma informação no resultado Google e não encontrá-la no site ao clicar – exemplo clássico disso, que eu mesma presenciei e me frustrei como usuária, ocorria com rich snippets de algumas lojas virtuais. Eu me lembro de ver resultados de produtos com estrelas e nota média de avaliações numa busca em meu celular, mas ao clicar… cadê as avaliações? Só existiam na versão desktop, usada pelo Google para exibição no resultado de pesquisa. Mas por qual razão as avaliações não estavam na versão mobile? A possível razão disso, e que fez o Google revisar a composição de seu índice, é a omissão de informações na versão móvel do site, já que a área de exibição em smartphones é muito menor do que a tela de um monitor ou notebook.

Para evitar frustações como essa e garantir que o usuário mobile não terá uma experiência frustrada ou inferior, em desvantagem em relação a uma busca em desktop, o Google tem cobrado que os sites móveis sejam tão completos quanto suas versões desktop. Inclusive, essa questão até gerou o termo mobile-first entre os profissionais front-end, que desenvolvem a interface do site considerando inicialmente como será apresentado em smartphones, para depois desenvolver seu layout maior para desktop.

Devemos nos Preocupar com Mobile-First Indexing?

O Google notificou que a mudança está ocorrendo aos poucos e que os sites que estão migrando para o índice mobile receberão uma notificação através do Google Search Console, além do crescimento da taxa de rastreamento pelo “Googlebot para smartphones”. E é óbvio que a versão mobile do site será exibida nos resultados de pesquisa e será armazenda no cache do Google.

Mobile-First Indexing para cada tipo de site

Site responsivo, site com conteúdo dinâmico, dois sites… muda algo para cada tipo de site mobile? Segundo as diretrizes do Google de melhores práticas:

  • Só versão desktop: nada muda.
  • Design responsivo: nada muda.
  • 2 Sites (m e www): Google usará a versão mobile.
  • Conteúdo dinâmico: Google usará versão mobile.

Observe não ser nada diferente do que já funciona, porém é óbvio que ter apenas site desktop frustra a experiência do usuário e, desde 21 de abril de 2015, sabemos que isso poderá ser um problema se a busca for realizada em smartphones e seus concorrentes já tiverem versão focada no usuário em mobile. Como o uso de smartphones é crescente, não podemos mais depender exclusivamente das buscas realizadas em desktop.

Se você ainda tem dúvidas sobre como informar ao Google de forma correta qual sua versão mobile para os dois últimos casos acima (2 sites ou conteúdo dinâmico), relembre as melhores práticas para mobile.

Tenho Versão AMP de páginas, muda alguma coisa?

Se você tiver páginas AMP e páginas não-AMP, segundo o Google, as suas páginas não-AMP serão usadas pelo algoritmo na determinação do ranking. Se você tiver apenas páginas AMP (o chamado canonical-AMP), obviamente é um site só para AMP e indexação nos resultados.

Conclusão

Citei no início do artigo que não esperava que isso ocorreria tão já, e o motivo foi do Google ter anunciado que, a partir de julho de 2018, a velocidade do site será fator de ranking em mobile (sabemos que já é indiretamente quando recebemos rejeição do usuário quando nosso site é lento). Pensei que o Google lançaria mais motivos para forçar a melhoria dos sites mobiles antes de partir para o mobile-first indexing, portanto me surpreende que o índice mobile veio antes da velocidade fazer parte do algoritmo. De qualquer forma, todo profissional de SEO sabia que mais dias ou menos dias o mobile-first indexing seria anunciado – ninguém poderá dizer que o Google anunciou de surpresa, o que não é verdade.

E você, o que achou dessa mudança? Seu site está preparado?

Quer aprender mais sobre SEO? Confira:

Compartilhe mais este artigo de SEO!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *