Cliques Google Search Console diferentes de sessões orgânicas Google Analytics

Cliques Search Console x Sessões Orgânicas Google Analytics

Olá pessoal de SEO! A proposta deste artigo é entender algumas razões do número de cliques Search Console ser diferente das sessões orgânicas Google Analytics.

Em algum momento durante suas análises de SEO, a seguinte dúvida irá surgir: por que o número de cliques orgânicos exibidos na ferramenta Google Search Console é diferente das sessões orgânicas do Google Analytics? Diversos fatores podem influenciar, seja para aumentar ou diminuir essa diferença entre ferramentas, por isso, leia os tópicos abaixo e confira se os números de tráfego de seu site passarão a fazer mais sentido após checar cada motivo citado.

O primeiro ponto fundamental a entender é:

  • Clique Google Search Console (GSC): clique na pesquisa orgânica Google contabilizada em determinada propriedade GSC;
  • Sessão Google Analytics (GA): visita de um usuário a uma página, contabilizada assim que o javascript GA é carregado, podendo variar conforme inatividade do usuário na página.

Estando isso bem claro, as duas situações abaixo podem ocorrer.

Google Search Console logo

Cliques Search Console maiores do que sessões orgânicas Google Analytics

Os fatores abaixo podem contribuir para o número de cliques no Google Search Console ser maior do que seu tráfego orgânico no Google Analytics:

  • O código javascript (JS) do Google Analytics não foi inserido em todas as páginas do site. Sempre é bom conferir se todas as páginas do site estão realmente com JS do GA, principalmente se você começou a atuar em um site que já existia e não acompanhou a implementação do Analytics.
  • Se o navegador do usuário estiver configurado para bloquear carregamento de javascript, o Google Analytics não irá registrar dados da navegação do usuário. Eu acho improvável  e possibilidade quase remota que, nos dias de hoje, os usuários bloqueiem javascript, mas é importante ao menos citar que essa hipótese existe.
  • Usuário clicou no resultado orgânico de pesquisa Google e fechou a guia/janela antes do carregamento completo do código javascript GA na página.
  • Qualquer conteúdo não-HTML indexado no Google não tem javascript GA. Se seu site tem volume de arquivos PDF, arquivos DOC ou qualquer outro tipo indexados no Google, o site pode receber tráfego para esses conteúdos, e o clique no resultado orgânico de pesquisa será computado pelo Search Console, mas não pelo Analytics por não possuírem o código do GA.
  • As páginas de seu site possuem versão AMP? Tráfego AMP é computado pelo Search Console, mas verifique se as páginas AMP possuem a tag <amp-analytics> para contabilização de tráfego no Google Analytics.
  • Resultados Web Light são registrados dentro do Google Analytics como tráfego de referência, desde que o usuário clique no link para ver versão original da página. Senão, o Google exibirá versão otimizada que costuma não carregar javascript. Ou seja: esse tráfego orgânico não é registrado como sessão orgânica no GA, porém é registrado no Search Console: é possível conferir o quanto representa através do filtro “Aspecto da pesquisa“. Não sabe o que é Google Web Light e nem como desativá-lo? Confira:
Leia também:  Atualização no Google Search Console

Google Analytics logo

Sessões orgânicas Google Analytics maiores do que cliques Search Console

Mas se seu problema é o inverso, ou seja, há muito mais tráfego orgânico no Google Analytics do que cliques no Google Search Console, confira as hipóteses a seguir:

  • Suponha que o usuário clicou no seu resultado orgânico na pesquisa Google, navegou no site, deixou a janela aberta, não mexeu mais no site e depois voltou. Após 30 minutos de inatividade na navegação, se usuário voltar a navegar no site, uma nova sessão é considerada pelo Google Analytics, mas lembre-se de que o usuário não clicou novamente no resultado Google. Se desejar, é possível editar esse tempo de inatividade de sessão para seu site.
  • Além do período de inatividade acima, a sessão do GA também é encerrada à meia-noite.
  • Google Analytics considera acessos nível domínio e Google Search Console é nível subdomínio (desde que você não tenha criado propriedade de domínio no GSC). Se você tem uma propriedade no GSC apenas para subdomínio www (ou “www” e “m” caso possua versão desktop e versão mobile), é importante checar se existem outros possíveis subdomínios indexados no Google com tráfego que não tem sido registrado no GSC, mas que constam no tráfego orgânico do GA.
  • O mesmo tópico acima vale para sites que migraram de HTTP para HTTPS e possuem duas propriedades no Google Search Console – não se esqueça de considerar o tráfego remanescente de sua propriedade HTTP, pois tráfego na versão segura e não-segura é considerado pelo Google Analytics.
  • Clicar em um resultado de pesquisa Google, retornar para a busca e clicar no mesmo link conta como apenas um clique pelo Search Console.
  • O filtro default da página Desempenho do Google Search Console é pesquisa Web – é necessário considerar também pesquisa por Imagem e Vídeo no GSC, portanto não se esqueça de filtrar e somar esses tipos de pesquisa na totalidade de cliques. Se seu site possui volume considerável de tráfego por imagem e/ou vídeo, isso poderá fazer muita diferença na totalidade de cliques GSC.
  • Google Search Console considera apenas tráfego orgânico de pesquisa Google, enquanto Google Analytics considera todas as fontes de tráfego orgânico (desde que você não tenha filtrado por “origem/mídia” = “google/organic”, Bing ou qualquer outro buscador é registrado no agrupamento “Organic Search”).
  • O número de sessões orgânicas do Google Analytics representa o número de sessões orgânicas + sessões diretas logo após a sessão orgânica.
  • E, para finalizar, de acordo com próprio ajuda do Google Search Console:

O Search Console realiza alguns processamentos de dados adicionais – por exemplo, para lidar com conteúdo duplicado e visitas de robôs – que podem fazer com que suas estatísticas sejam diferentes das listadas em outras fontes.

 (…) o Search Console arredonda dados de consultas de pesquisa para um ou dois dígitos significativos.

Conclusão

Como é possível observar, é muito difícil duas ferramentas diferentes computarem os mesmos números, afinal, cada uma utiliza métodos diferentes de registro de tráfego. Os pontos acima ajudam a diminuir e a entender essa diferença, sem deixar fatores importantes de tráfego passarem despercebidos.

Leia também:  Sitelink Searchbox: Como Saber os Termos de Busca?

Há alguma outra razão que você conhece que pode influenciar nessa divergência de números entre GA e GSC? Registre seu comentário!

Links úteis Google Analytics e Google Search Console

Imagem em destaque por Photo Mix do site Pixabay

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *